Kwaidan - As Quatro Faces do Medo (1964) Crítica

Histórias de fantasmas atormentam os vivos e incitam a nossa imaginação. Aqui o cineasta Kobayashi adapta 4 histórias recolhidas e trabal...

Histórias de fantasmas atormentam os vivos e incitam a nossa imaginação. Aqui o cineasta Kobayashi adapta 4 histórias recolhidas e trabalhadas pelo escritor e jornalista grego/irlandês Lafcadio Hearn. Enviado ao Japão no final do século XIX, ele se apaixonou pelo país a ponto de se nacionalizar e se casar com uma filha de um samurai, que vem a se tornar sua principal colaboradora nessa pesquisa. Sobre o nome de Koizumi Yakumo, ele lança em 1903 o livro Kwaidan ou Estudos de Coisas Estranhas, composto de 16 narrativas. Dessas, o cineasta Kobayashi se debruçará sobre quatro e nos legará uma obra única, dotada de um exotismo e de uma estética que estonteia até hoje.
Os Cabelos Negros: Um samurai para fugir da pobreza abandona sua esposa e se coloca sobre os serviços de um rico senhor do qual esposa a filha. Contudo ele não consegue esquecer a antiga mulher e mortificado pelo arrependimento retorna a casa  antiga em uma noite deixando para trás as novas obrigações.
Esse primeiro segmento só nos mergulha em uma atmosfera sombria, quase ao seu término. No entanto, a narrativa cheia de hiatos, desde o início, já causa-nos uma certa estranheza, ao contar a ascensão social de um jovem samurai. A força narrativa nasce do confronto entre o encaminhamento intimo que o conduz (remorso, vaidade, etc.) e a ascensão marcada por suas vitórias, novo matrimônio, sublinhados jungidos planos alternados que priorizam ora o horizonte infindo, ora grossas tomadas sobre os rostos. Quando do reencontro com seu passado, os passeios se estagnam. Acentua-se a formação de um ambiente pavoroso, mórbido, que culmina na degradação do local e na depauperação e envelhecimento do protagonista. Contribuirá para a formação desse ambente macabro uma musica que explora os sons atmosférico, quase concreta, explorando sons de madeira explorando novas possibilidades. 

A Mulher das Neves: Um velho lenhador e seu aprendiz são surpreendidos por uma tempestade de neve e se refugiam na velha cabana de um pescador. Despertado de seu sono, o aprendiz observa assustado que um ser femininos sobrenatural tirou todo o sangue de seu mestre. A vampira o poupa sobre a condição de que nunca contará a ninguém o que se passou naquela noite.
Aqui o cineasta faz uso de cenários pintados a mão, para fazer explodir diante de nosso ser boquiaberto, a impossibilidade do conúbio entre um mortal e um espírito. As passagens das estações são acentuadas através das mudanças de cores, passando de um azul invernal a um laranja que remete ao predomínio do verão. A artificialidade do entorno, reforça o impacto emocional e estético em nós e nos quedamos ante a força da narrativa. Somos enredados pela narrativa simples e linear, como crianças fascinadas ante a singeleza dos arcanos das matrioskas.
Hoichi – O Sem Orelhas: Dan-no-Ura é um estranho lugar de aparições. Foi lá que 700 anos antes ocorreu a famosa batalha naval que viu a queda do clã Heiké face ao clã Genji. Hoichi, um jovem cego que vive no templo, excelente tocador de biwa e talentoso contador da epopeia Heiké, vai despertar por esses motivos, os guerreiros fantasmas do clã derrotado, seduzidos por seu talento.
Se no primeiro conto o sobrenatural irrompe na tela de maneira abrupta e no segundo ele é confrontado no convívio diário, no terceiro a coexistência se dá de forma acentuada. As cenas de batalha estilizadas num quase balé que bebe nas fontes do teatro kabuki, no Nô e sobretudo no bunraku nos colocam de encontro a uma tradição que desconhecemos, mas que causa-nos admiração, pela beleza plástica que ganha as telas. Sequência espetacular, uma decupagem experimental, associação de transições oníricas e imagens impressas, fumaças, sobre um fundo roxo, desaguando em seu final num suicídio coletivo de toda a família real e sua comitiva num mar de sangue. Travellings bem resolvidos e a exploração de uma profundeza de campo magistralmente conduzida. Raras vezes o colorido foi tão bem aproveitado pelo Cinema. Ouso até dizer que Kurosawa com seu Kagemusha e Sonhos não se igualou ao que Kobayashi fez aqui em termos estéticos.
Numa Taça de Chá: O que leva um escritor a não concluir uma história? A resposta talvez esteja no fundo de uma taça.
Ainda que seja o segmento mais curto, não deixa de ser o mais audacioso. O epílogo sugere uma interpenetração do universo do autor com a da sua criação. Mais nada fica de forma explicita. Somos convidados a concluir a história por nós próprios. O ar de nada desta última narrativa permanece talvez sendo o mais inquiridor e assustador, não devido a presença dos espectros de aparências tão próximas a nossa, mas sim pela permanência de uma não conclusão que nos desestabiliza.
Ainda que continuemos distanciados do que seria a verdadeira cultura do cinema fantástico nipônico, Kwaidan restará em minha memória como uma obra esteticamente perfeita, onde a trilha sonora tem um papel extremamente importante, legando-nos uma obra de uma riqueza indescritível.  

Escrito por Conde Fouá Anderaos


Nome

Ação,7,Adolescentes,3,Akira Kurosawa,6,Alain Resnais,3,Alfred Hitchcock,6,Amazon Prime Video,18,Animação,4,Artigos,30,Aventura,10,Belas Artes à La Carte,5,Billy Wilder,3,Biografia,14,Casamento,3,Chantal Akerman,12,Cinema Francês,6,Cinema Nacional,4,Civilização e Barbárie,5,Claro Video,8,comédia,30,Crime,16,Crítica,379,Curiosidades,33,David Cronenberg,2,Disney Plus,2,Ditadura,3,documentário,6,Drama,64,Espanha,4,Especiais,12,Família,16,Fantasia,18,Faroeste,7,Fascismo,5,Ficção Científica,9,Filosofia,4,Frank Capra,3,Guerra,22,Halloween,3,HBO Go,13,História,11,Infância,5,Japão,18,Jim Jarmusch,3,Listas,66,Looke,14,Máfia,4,Martin Scorsese,2,Mistério,12,Modernidade,3,Mubi,8,musical,7,Nazismo,10,Netflix,8,Noir,4,Oscar,11,Ozu,6,Política,5,Premiações,2,Quentin Tarantino,4,Racismo,3,Religião,6,Robert Aldrich,22,Roman Polanski,3,Romance,19,Sociedade,5,Stanley Kubrick,3,Stream,87,Suspense,20,Teatro,6,TeleCine,33,Terror,22,Totalitarismo,5,Vídeos,8,Violência,4,Woody Allen,9,
ltr
item
O Mundo dos Cinéfilos: Kwaidan - As Quatro Faces do Medo (1964) Crítica
Kwaidan - As Quatro Faces do Medo (1964) Crítica
https://1.bp.blogspot.com/-oepILHPf_ng/V3GASe5Gt3I/AAAAAAAACg8/mZbT1nA_Ee8MCKBvgc-uw9I9h_rhv9KkQCKgB/s320/kkkkkkkkkkkkkkkkk.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-oepILHPf_ng/V3GASe5Gt3I/AAAAAAAACg8/mZbT1nA_Ee8MCKBvgc-uw9I9h_rhv9KkQCKgB/s72-c/kkkkkkkkkkkkkkkkk.jpg
O Mundo dos Cinéfilos
https://omundodoscinefilos.blogspot.com/2016/06/kwaidan-as-quatro-faces-do-medo-1964.html
https://omundodoscinefilos.blogspot.com/
https://omundodoscinefilos.blogspot.com/
https://omundodoscinefilos.blogspot.com/2016/06/kwaidan-as-quatro-faces-do-medo-1964.html
true
8259963456626836877
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content