segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Nanook, O Esquimó

O filme "Nanook, O Esquimó" é um filme incrível, dirigido por Robert J. Flaherty no ano de 1922. É considerado por muitos como o primeiro documentário antropológico em longa-metragem da história do cinema. No entanto, há pessoas que discordam dessa classificação, uma vez que muitas de suas cenas foram encenadas para as câmeras. O filme pode até mesmo ser considerado uma refilmagem, uma vez que os negativos originais do filme em que Flaherty documentou sua viagem ao Alasca em 1913 foram destruídos em um incêndio. O diretor decidiu, então, recriar de maneira autêntica todo o material perdido, e é exatamente essa recriação que resultou nesse filme.

O filme não tem diálogos, e a história acompanha 1 ano na vida de uma autêntica família de esquimós. No filme estão registradas a caça, a pesca, o comércio, as migrações, a construção de iglus. Através das imagens, ficamos conhecendo todas as dificuldades enfrentadas pelos esquimós que vivem e sobrevivem no ártico, sob rigorosas temperaturas negativas, e todas as suas técnicas para conseguir comida num ambiente tão inóspito.

O filme foi um verdadeiro sucesso na época de seu lançamento, mesmo tendo sido rejeitado por vários distribuidores. É um verdadeiro clássico do cinema, que todos devem conhecer. Em tempo: Nanook, o experiente esquimó retratado no filme, morreu pouco meses depois das filmagens, de fome, o que só vem reforçar as dificuldades que eles enfrentam todos os dias para se manterem vivos.

Confesso que só assisti ao filme recentemente, mas o filme é magnífico. Quando o vi à venda, pensei 2 vezes antes de comprá-lo (já tinha ouvido falar dele, mas nunca tinha tido chance de ve-l0). Hoje vejo o quanto eu me arrependeria se não o tivesse comprado. As imagens, mesmo que encenadas, são poderosas, e aprender sobre uma cultura completamente diferente da nossa é no mínimo fascinante. Vale muito a pena conhecer o filme, mesmo que você, como eu, trema de frio só de ver as imagens.

Um comentário:

Amanda Aouad disse...

Já vi algumas vezes, apesar de toda a encenação, como a cena da família inteira saindo de dentro da canoa, acho genial. Um marco do cinema, sem dúvidas.