quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Christine - O Carro Assassino


O cinema a partir de meados da década de 70 começou a ser invadido com filmes que visavam um filão recém-descoberto que renderia montanhas de dinheiro às produtoras: o público adolescente. Histórias sempre de jovens banais, com problemas idiotas em situações completamente toscas era o que se tinha de sobra. Esse padrão era quase constante, com pouquíssimas exceções de filmes adolescentes que mantinham um certo rigor tanto no roteiro quanto na direção. Loucuras de Verão, do George Lucas e toda a filmografia do John Hughes são algumas dessas exceções.

Porém, infelizmente, Christine não é uma exceção. Embora a direção do mestre John Carpenter consiga fazer alguns milagres, ditando um ritmo interessante na obra e proporcionando algumas tomadas com enquadramentos genias, não consegue compensar o roteiro grotesco de Bill Phillips, que joga todo o filme na privada e puxa a descarga.

A história começa traçando um panorama de jovens de 17 anos totalmente idiotas e estereotipados. Temos a garota popular, o capitão do time de futebol, o nerd, o encrenqueiro e a novata tímida pela qual todos se apaixonam. No momento em que o nerd e seu amigo capitão encontram Christine, o roteiro vira de ponta cabeça. A garota popular simplesmente desaparece, o nerd vira uma cópia do James Dean de Juventude Transviada, porém muito mais arrogante, agora com o carro em suas mãos, tendo o capitão do time ainda como seu melhor amigo, a novata como sua namorada e o encrenqueiro como seu inimigo.

Daí pra frente o filme se torna um suspense, que embora completamente previsível, rende alguns momentos de tensão. Não cai nas redes do enfado talvez por ainda proporcionar ao público a diversão de adivinhar o que vem pela frente, coisa que quase sempre funciona, visto que o filme não consegue escapar dos clichês. Na metade do filme já se é possível descrever com detalhes como será o final, e realmente não há surpresas neste ponto. A única suspresa fica com Keith Gordon, que após se transformar de nerd a James Dean, passa a dar um show de atuação em seus monólogos possuído pelo carro.

Muitas pessoas na faixa dos trinta anos defendem esse filme, assim como outros do Stephen King e as séries de terror tão famigeradas como A Hora do Pesadelo, Sexta-feira 13 e Halloween por serem símbolos de sua própria adolescência e de sua própria geração. Isso pode cegar as pessoas e impedi-las de ter uma visão mais impessoal da obra. Eu, que não faço parte dessa geração, digo que este filme é uma obra tenebrosa, no pior sentido da palavra, mas nada impede alguém de gostar do ruim. Todos nós gostamos de algum lixo. Se você gosta de Christine, você já gosta de algum lixo também.

7 comentários:

Maria Pereira Yackyn disse...

Gostei da critica Jorge.

Será que eu gosto de um lixo???

Jorge disse...

Hahaha, tá de boa... Eu também gosto de um monte :p

Anônimo disse...

Lixo é essa crítica.

Mayla Tavares disse...

lixo é o que vocês falam...Esse filme é um classico

Carlos disse...

O filme não passa nem arranhando o livro... Esse filme, na verdade, é um amontoado de cenas desconexas do livro que não fazem sentido nenhum vistas como foram filmadas. Leia o livro e você verá que a história é bem mais profunda e muitas coisas que o filme deixou soltas fazem muito, mas muito sentido. Péssima adaptação de um livro que, esse sim, é um clássico do terror.

gersilhos disse...

O filme é uma bosta, o livro é muito interessante.

Anônimo disse...

O filme está longe de ganhar um Oscar, mas também não é tão ruim assim. Tanto é que virou um filme cult. Não se tem tantos filmes sobre carros assassinos. Acho que esse foi um dos motivos que marcou tanto. Aposto que muitas pessoas ao verem um Plymouth Fury 1958 na hora vão lembrar de Christine e do filme.
Crítica especializada avalia vários aspectos mais técnicos o que não reflete exatamente a avaliação do público. Agora, lixo não é, não. Se fosse lixo não teria uma legião de fãs por tanto tempo.