sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

11 de Setembro


Em 2002, o produtor francês Alain Brigand concebeu a idéia de realizar um longa-metragem em homenagem ao fatídico atentando de 11 de setembro que culminou com a morte de cerca de três mil pessoas. A idéia se consistia em um longa-metragem composto por 11 curta-metragens de 11 países diferentes e com 11 minutos, 9 segundos e 1 frame de duração, contando a repercussão do atentado sob as mais diversas perspectivas. Para tanto, os cineastas selecionados foram a iraniana Samira Makhmalbaf, o francês Claude Lelouch, o egipcío Youssef Chahine, o bósnio Danis Tanovic, o burquinense Idrissa Ouedraogo, o britânico Ken Loach, o mexicano Alejandro González Iñarritú, o israelense Amos Gitai, a indiana Mira Nair, o americano Sean Penn e o japonês Shohei Imamura. O resultado fica a seguir:

O primeiro segmento é ambientado em uma olaria iraniana, onde os filhos dos funcionários, em sua maioria refugiados afegãos, trabalha desde bem jovens para ajudar os pais. Mas juntos com o trabalho, eles também estudam, ou pelo menos deveriam estudar, visto que não é lá bem isso o que acontece. O segmento se consiste essencialmente na professora tentando dizer para os alunos o que aconteceu nos Estados Unidos, porém os alunos não sabem de absolutamente nada sobre o ocorrido, nem ao menos sabem o que é uma torre ou um celular. Ao invés de focar a trama em como a professora explicaria a situação aos alunos ou como as crianças iranianas encaram tal fato, a diretora Samira Makhmalbaf prefere colocar os alunos a discutir religião ou montar uma professora que pretende apenas fazer as crianças terem piedade das vítimas. Em nenhum momento a professora explica o atentado em si, ela basicamente chega na sala dizendo que a Terceira Guerra Mundial vai começar, depois tanta fazer um minuto de silêncio em homenagem às vítimas e por fim leva os alunos ao pé da chaminé da olaria para que elas pensem nas pessoas que morreram. Um curta ridículo, que transborda um moralismo barato e um sensacionalismo absurdo. Prova da perda de identidade da cineasta iraniana mediante a pressão imposta pela mídia no que nós costumamos chamar de "imperialismo cultural".

O segundo segmento é praticamente um trabalho de sonoplastia no qual Lelouch nos leva à vida de uma surda-muda francesa que vive em Nova York com seu namorado, um guia turístico para surdos-mudos. No dia 11 de setembro, o namorado vai acompanhar um grupo em um passeio no World Trade Center enquanto a jovem fica em casa, alienada do que está acontecendo por não escutar a televisão. A limitação imposta pelo tema é driblada de uma maneira muito eficiente por Lelouch, que consegue se destacar por momentos simples como a jovem escutando piano através das vibrações do mesmo, ou então o ruído abafado do latido do cachorro, o som do obturador da máquina fotográfica ou a magnífica tomada onde a jovem escreve ao computador em segundo plano, enquanto que no primeiro plano o destaque total fique a para a tv que transmite uma tragédia sem que ela saiba. Embora inventido, o segmento ainda demonstra a pressão da temática e acaba se mostrando um resultado pouco ágil. Mas pelo menos ainda é melhor que o da iraniana...

O terceiro segmento começa genial, com Youssef Chahine interpretando a si mesmo realizando algumas filmagens em frente ao WTC. Logo, corta-se para uma coletiva de imprensa no Líbano em 12 de setembro, onde ele alega ainda estar muito abalado com o ocorrido no dia anterior e diz que "previu" o que iria acontecer. Em seguida vemos o diretor sentado em um rochedo na beira do mar. A câmera foca no mar quando dentre as ondas surge um homem de porte atlético, peito desnudo e usando calças camufladas numa das cenas mais constrangedoras que eu já tive o desprazer de assistir. Como se isso não fosse o bastante, começa aí uma sucessão de bizarrices tais quais um jogo de vôlei com o nada, diálogos ridículos sobre paranormalidade, uma panfletagem absurda de Chahine em relação aos horrores criados pelos americanos, um homem-bomba que surge do nada para justificar suas atitudes e um momento em que o diretor praticamente vira para a câmera e diz "vocês americanos precisam repensar suas atitudes". Um didatismo tão explícito, que o único sentimento capaz de causar é a vergonha alheia.

No quarto segmento, Danis Tanovic prefere dar mais destaque para as condições socio-políticas da Bósnia-Herzegóvina do que para os atentados em si. Situando seu filme em um pequeno vilarejo habitado quase que inteiramente por mulheres, Tanovic demonstra o sofrimento de um povo que vive sob conflitos constantes através de um homem que está preso a uma cadeira de rodas devido ao fato de não possuir suas duas pernas, provavelmente perdidas na guerra, e uma mãe uma filha, cujo marido/pai está ausente, também por conta da guerra nos bálcãs. Se o retrato social é no mínimo bom, embora peque ao exigir que se tenha um conhecimento prévio da sociedade bósnia, o segmento desanda quando surge a necessidade de inserir o evento-chave do filme em seu enredo. Durante o curta, em dois momentos são citadas coisas que "acontecem todo dia 11" mas nada além disso. Quando os habitantes do vilarejo recebem a notícia do que ocorreu, um sentimento de choque se instala até o ponto em que é dito que ninguém conseguirá fazer mais nada naquele dia. Como assim? Quer dizer que um evento ocorrido a 10 mil quilômetros de distância vai parar a vida de um vilarejo que absolutamente nada tem a ver com isso? Ah, olha aí o moralismo americano de novo...

O quinto segmento abre num mercado popular de Ouagadougou onde somos apresentados onde um homem ouve no rádio a notícia do atentado. Logo, o foco passa desse homem para seu filho, Adama, que 13 dias depois do atentado vende jornais para sustentar a mãe doente, mesmo tendo que abandonar a escola para isso. Porém, Adama encontra na rua o próprio Osama Bin Laden, aquele que estava nas capas dos jornais que ele vendia. Logo, ele se junta a quatro amigos para capturar Osama e conseguir a recompensa de 25 milhões de dólares. O interessante aqui fica a cargo de três coisas. Primeiramente, não há o moralismo, o sensacionalismo nem a pieguice dos outros segmentos, os personagens sabem perfeitamente que os atentados não irão mudar suas vidas, e assim seguem sofrendo como se nada tivesse acontecido. O segundo é o panorama que Idrissa Ouedraogo traça da sociedade carente padrão de Burkina Faso. O terceiro destaque fica a cargo da parte técnica, sobretudo a montagem, que ajuda a conferir um certo tom lírico ao curta, digno das crianças que ele retrata. Curioso o fato de o melhor segmento do filme até o momento vir de um dos países mais pobres do mundo...

Porém, o título de melhor curta do filme fica com a Burkina Faso por pouco tempo. Logo após aquele, somos levados ao segmento britânico cuja direção ficou a cargo de Ken Loach. Se alguns diretores como Claude Lelouch tiveram dificuldades em desenvolver a temática conferida, Loach conseguiu trabalhá-la de uma maneira digna de sua genialidade. Quando foi dada a idéia de se realizarem curtas sobre o 11 de setembro, todos os diretores imediatamente focaram suas atenções nos atentados de 2001. Todos, menos Loach, que viu aí uma brecha para explorar um outro 11 de setembro, esse em 1973. O curta se consiste em uma carta, direcionada aos parentes e amigos dos mortos em 2001, mas escrita por um parente e amigo de mortos de 1973. Um chileno, que feito prisioneiro político, foi obrigado a partir em exílio para a Inglaterra. Loach usa quase todo o seu tempo entre imagens de arquivo para mostrar um 11 de setembro muito mais sanguinário, cujos efeitos culminaram na morte de 30 mil chilenos. 11 de setembro esse encomendado pelos americanos, que descontentes com o governo de tendências comunistas de Salvador Allende, financiaram um golpe de estado para que Augusto Pinochet assumisse o poder. Um curta tenso, impactante, e desprovido de qualquer moralismo ou pieguice. Um curta genial.

Se o filme começou terrivelmente mal, pode-se dizer que agora esse passa por uma fase de altíssima qualidade. No segmento mexicano, o diretor Alejandro González Iñarritú dispensa o enredo para fazer um curta praticamente sem imagens, onde a tela preta é esporadicamente quebrada por imagens de pessoas que pularam do WTC e imagens das torres indo ao chão. Ao fundo, um turbilhão de vozes, notícias de rádio, testemunhos de pessoas que presenciaram a tragédia de perto, chamadas telefônicas de vítimas que sabendo que vão morrer, ligam para seus entes queridos para dizer que os ama. Se os dois curtas de alto nível que foram apresentados até o momento, o burquinense e o britânico, possuem tal nível por fugir da temática do terrorismo, o segmento mexicano merece respeito por sua elevada qualidade, mesmo se focando inteiramente na tragédia. Uma possível influência vanguardista Iñarritú apresenta aqui, e essa influência faz desses 11 minutos uma experiência na qual espectador está tão perdido quanto aqueles que acompanhavam o desastre pela televisão. Simplesmente não se sabe o que está acontecendo.

O segmento israelense de Amos Gitai se consiste em um único plano-sequência mostrando a equipe de resgate de um atentado terrorista que ocorreu em 11 de setembro de 2001. Tal atentado que deixou vários mortos e feridos, se consistiu em dois carros-bomba detonados na mais movimentada avenida de Tel Aviv. O curta que começa acompanhando a equipe de resgate, logo muda o foco para uma companhia televisiva que encontra problemas para passar a notícia, visto que a emissora prefere noticiar o evento ocorrido nos Estados Unidos do que um atentado ocorrido praticamente no quintal de casa. Amos Gitai critica dessa forma o sensacionalismo que a mídia criou em cima de uma tragédia, se utilizando dela para arrecadar audiências massivas. Em certo momento, a repórter começa a listar uma série de eventos históricos que ocorreram em 11 de setembro de diversos anos e ajudaram a moldar o mundo tal qual ele é hoje, porém todos esses eventos parecem subjugados a algo que tomou proporções maiores do que deveria. O que Amos Gitai questiona no seu segmento pode parecer arriscado para a época, mas hoje, ao perguntar qual a verdadeira importância histórica do fim do WTC, percebemos que tal evento foi realmente supervalorizado. Menos de 10 anos depois, o mundo não sofre consequências diretas do atentado.

No nono segmento, dirigido pela indiana Mira Nair, é apresentado um tipo diferente de sofrimento causado pelo atentado. O foco da trama recai sobre uma família muçulmana que reside em Nova York e tem de conviver com o preconceito dos vizinhos que atribuem de maneira xenofóbica a todo um povo a responsabilidade pelas milhares de vítimas. Quando um dos filhos não volta para casa, surge a suspeita de que ele fora preso sob a acusação de ser um terrorista. Certamente Nair foi a que melhor captou a idéia proposta pelo filme, mostrando exatamente como os atentados causaram impacto na realidade de um determinado povo, mas ainda fica a intenção de que falta algo, sobretudo após a conclusão que diminui a carga social que o curta possuia.

O penúltimmo segmento conta a história de um viúvo interpretado por Ernest Borgnine que passa os dias trancado em seu pequeno e escuro apartamento, agonizando devido ao fato de sua amada não estar mais lá. Tudo no curta, desde o enredo, passando pela montagem, pela fotografia e pelo posicionamento das câmeras evoca a inexperiência de Sean Penn atrás das câmeras. Aqui, Penn é uma criança que ganhou um brinquedo novo, e agora vai explorar esse brinquedo até descobrir todas as suas funções. O tom experimental que sobrecarrega a obra pode até ser incômodo, mas a cena em que a primeira das torres desaba, permitindo que pela primeira vez a luz chegue àquele apartamento e que as flores de sua esposa finalmente desabrochem, conferindo ao velho um euforia contagiante, compensa todo o amadorismo na direção. Sean Penn consegue se livrar do patriotismo que se espera para o segmento americano e faz o mais ousado dos curtas, no qual o atentado pode ser interpretado até como sendo algo positivo na minúscula realidade daquele apartamento. A outra face de uma tragédia.

No último segmento, Shohei Imamura nos leva ao Japão do pós-Segunda Guerra, onde um ex-soldado retorna para seu vilarejo pensando ser uma cobra. Imamura nos mostra uma figura que de tão afetada pelos horrores da guerra, se envorgonha de sua condição de ser humano ao ponto extremo de preferir ser um réptil do que permanecer como um exemplar dessa espécie amaldiçoada. O que se vê aqui é uma explicação feita por estrangeiros para americanos de porque todos os povos os odeiam, afinal, foi o terror causado pelos americanos que destruiu a vida daquele jovem e de todos naquele vilarejo. Imamura inverte a posição de vítima que os Estados Unidos possuem durante todos os segmentos e mostra sua face mais sombria. Uma excelente forma de se encerrar aquilo que deveria ser um ode ao povo americano.

Tal como muitos filmes que viriam em seguida tais quais Cada um com seu Cinema e Paris, Te Amo, 11 de Setembro tem a instabilidade que qualquer filme desse estilo teria. Interessante ver visões tão distintas de um mesmo evento, mesmo que para tanto tenhamos que conferir algumas atrocidades cinematográficas (leia-se Irã e Egito). Esse filme não foi feito para ser avaliado como um todo, mas sim com cada um de seus segmentos em separado. Embora alguns desses sejam genias, a sensação transmitida no final não é lá das melhores. Seria como se tivesse assistido a uma propaganda de duas horas mostrando como os americanos são injustiçados e sofredores... Injustiçados? Sofredores? Sei...

Um comentário:

Lauci Lemes disse...

Querido Jorge, foste infeliz nessa critica,tua percepção esta distorcida e tua anelise se equivoca em quase todos os curtas. Não há jeito certo de filmar, opiniões são intransferiveis, nenhum deles fez cinema para estadunidenses, tinham liberdade total e usaram! mérito deles.O unico curta que foi publicitário foi justamente o que tu gostou o do Iñarratú, parece uma propaganda do Wachington Oliveto, esse foi puxasaco MESMO. Confesso que ha curtas confusos, mas por terem identidades Étnicas, e culturalmente araizados, sem linguagem e custumes cinamatograficos ocidentais (mérito deles), mais uma prova de suas liberdades. E pra finalizar, Saen Penn Amador? Forçou né!? É 2º melhor curta de todos, uma poesia visual. Pra mim este é um dos melhores filmes de 2002, Diretores livres e criando como o cinema deve ser, seja para o bem seja para o mal.
P.S. E convenhamos só o do México é que puxou o saco mesmo.
P.S. [2] 11/09 mudou a história sim, invasão do Iraque, Bush se reelege (que por conseqUência faz com que depois Obama se eleja, 1º Presidente Negro. É pouco?), relações Estadunidenses começam a perder força frente a outros Paises. Analisa bem, junto com a queda do muro em 89, 11/09 é marco tb, não pela tragédia, mas os fatos que desencadearam.