domingo, 24 de outubro de 2010

O Lenhador


A pedofilia (também chamada de paedophilia erotica ou pedosexualidade) é a perversão sexual, na qual a atração sexual de um indivíduo adulto ou adolescente está dirigida primariamente para crianças pré-púberes (ou seja, antes da idade em que a criança entra na puberdade) ou para crianças em puberdade precoce.

A pedofilia não é nenhum transtorno psicológico que transforme a pessoa em um monstro, como a maioria das pessoas acredita. Ela é apenas uma condição caracterizada pelo ideal inconsciente de um determinado indivíduo naquilo que seria um parceiro sexual adequado. Algumas pessoas vêem esse ideal em pessoas altas, baixas, altas, magras, loiras, morenas, de olhos claros, de olhos escuros; de diversos fatores. Pessoas com pedofília vêem esse ideal em cianças ou pré-adolescentes. Um pedófilo não é um pedófilo por opção, ao contrário do que muitas pessoas "normais" (com reforço nessas aspas) imaginam. Mas seria extremamente difícil para um homem que gosta de mulheres loiras, saber que ele não pode satisfazer seu desejo sexual com elas, pois isso seria um crime. E em mostrar esse aspecto do pedófilo como sendo alguém que sofre, e não que impõe sofrimento, é que o filme é extremamente eficiente.

Walter (Kevin Bacon) é um sujeito que retorna à sua cidade após passar 12 anos preso por molestar garotas de 10 a 12 anos. Ele tenta reiniciar a sua vida, mas sofre constantemente com o preconceito. Consegue emprego numa marcenaria de um antigo amigo, mas sofre com o preconceito dos seus colegas. Começa a namorar uma das colegas que até ameaça deixá-lo ao saber de seu passado. Mas a maior dificuldade encontrada por ele é conter seus desejos sexuais latentes. Junto a isso, ele desconfia de um homem que provavelmente está abusando de jovens em uma escola primária local.

A direção é bem presente e usa um jogo de tomadas que, junto com uma montagem extremamente eficiente, tornam o filme algo bastante agradável de se ver. A direção de fotografia também se faz evidente, dando um clima invernal de interiorano à obra. Mas o roteiro deixa um pouco a desejar. Aborda o tema da pedofilia de maneira demasiadamente equilibrada. Ao tentar evitar que o protagonista se torne um monstro, acaba por transformá-lo em um louco. Mas, a definição de louco é vaga e por isso o filme ainda conserva uma eficiência na hora de humanizar o personagem, mesmo sendo totalmente imparcial.

O clímax do filme é a cena com a garotinha no bosque, no qual a atitude que Walter tomasse seria o que definiria se a história teria um final "feliz" ou trágico. Uma cena extremamente bem arquitetada pela diretora Nicole Kassel e que consegue extrair atuação brilhantes de Kevin Bacon e da jovem Hannah Pilkes.

O Lenhador é um filme ousado, por tratar do tema da pedofilia, mas que evita se aprofundar demais no mesmo, tratando o de maneira demasiadamente imparcial. Um ótimo filme sobre o tema, mas que poderia ser ainda melhor se fosse mais ousado do que já foi.

3 comentários:

pseudo-autor disse...

Esperava uma grande decepção e acabei me surpreendendo com esse (muito por conta da atuação do Kevin Bacon). Muito bom mesmo!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Sandro Azevedo disse...

Ainda não vi, mas fiquei curioso.. realmente o tema é bem complicado. Há muito juizo de valor em cima dos pedófilos e a ciência ainda está engatinhando no que se refere a sexualidade humana. Por isso deve ter sido complicado fazer um filme sério e imparcial sobre o tema. De qualquer forma, vou assistir! Valeu pela dica!

Sandro Azevedo
blog24fps.blogspot.com

Lauci Lemes disse...

"A pedofilia não é nenhum transtorno psicológico que transforme a pessoa em um monstro, como a maioria das pessoas acredita. Ela é apenas uma condição caracterizada pelo ideal inconsciente de um determinado indivíduo naquilo que seria um parceiro sexual adequado." Essa definição é perigosissima, e muito simplória, pois estudos provam que mais de 70% dos pedófilos foram vitimas de abuso sexual ou violência, então não é tão simples assim, não ha um gene pra pedofilia, sei que não disse isso mas deu a entender. É por isso que casos de pedofilia se perpetram na igreja, pois o "coroinha" abusado de ontem é o "padre" pedófilo de amanhã. Pedofilia é sim uma patologia, e não um simples caso de "preferência" sexual, pois até nos casos que citou tem um fundo psicológico para "nossas" preferências e neuroses. Pesquisa não faz mal a ninguém, ainda mais com assuntos tão delicados.