domingo, 11 de maio de 2014

O Franco Atirador (1978)

                                         

“Como é a sensação de levar um tiro?”
“Não dói...Se isso é o que você quer saber(...)”

É iminente o risco de vida daqueles homens filmados por Cimino. Não apenas, por que são submetidos a diversas “roletas russas” – e isso não apenas no jogo, mas suas vidas acabam sendo uma – mas por que estão de face para guerra e sabem naturalmente que algum “fim” já chegara para eles. Mas os homens naquele bar, não se acanham, mesmo que o ambiente captado (ambiente esse, daquela pacata região, nublada, cinzenta, sem esperança, tão crua e solitária como a região da guerra), na verdade os homens gravados por Cimino aqui, também fazem parte daquela região, despedaçada, injustiçada e sem rumo. A estética de Cimino parece afirmar a cada minuto, que aquela amizade não pode mais existir, está preste a se extinguir com os seus violentos cenários (não no sentido da violência pura, mas sim no da tristeza e melancolia que embalam o sentimento comum a todos, o de sofrimento), que informam o deslocamento eterno daqueles homens que agora se agravaria e tomaria finalmente um rumo.


A amizade, inclusive, daquele grupo de amigos, dos momentos mais nostálgicos, das noitadas jogando e bebendo no bar e em uma festa de casamento – evento que marca e barra de vez, aquele tempo para dar lugar ao outro. A guerra do Vietnã para Cimino parece ser o ponto essencial, não para simplesmente revelar os males de uma guerra que todos nós já temos alguma noção, mas sim para testar a resistência daqueles homens deslocados do mundo, mas de alguma forma conectados uns com os outros. Se o ato da caça era o que os unia, representava os “belos” tempos, é agora o que os separa. Parece que essa amizade, para Cimino é o que amadurece seus personagens, os que tem os olhares mais fortes e firmes (Michael[Robert DeNiro], Nick[Christopher Walken] e Steven[John Savage]) em contradição dos que não a experimentaram. Embora, jamais Cimino afirme de algum modo um saldo positivo da guerra, esses homens que a provaram dão algum valor a mais na vida, diferente do que se pode pensar, agora eles não são mais aqueles vagabundos qualquer que ao fim de semana iam ao bar para beber e a floresta para matar algum animal, são agora de fato “homens” ressurgidos das cinzas de uma guerra.



A roleta russa, responsável pelas sequências mais simbólicas, permitem a Cimino não se estender durante seu filme a cenas de puro tiroteio, torturas e explosões. A roleta russa ocupa perfeitamente então a posição oficial em O Franco Atirador (The Deer Hunter, 1978), de representação de toda uma guerra – inútil como todas as outras – fatal e perigosa que brinca com a vida por dinheiro e joga todo o mundo fora em apenas o aperto do gatilho.

2 comentários:

CONDE disse...

"A roleta russa ocupa perfeitamente então a posição oficial em O Franco Atirador (The Deer Hunter, 1978), de representação de toda uma guerra – inútil como todas as outras – fatal e perigosa que brinca com a vida por dinheiro e joga todo o mundo fora com apenas o aperto de um aperto no gatilho"

Genial. Sintetizou todo o filme e sua mensagem nessa frase lapidar. Parabéns.

Ricardo Nascimento disse...

Obrigado, Conde. :D