terça-feira, 13 de agosto de 2013

Artesãos da Fotografia IV

Vitorio Storaro (1940 -     )





Esse italiano possui uma técnica inusitada para realizar seus trabalhos. Diz se inspirar nas telas do pintor Caravaggio para compor seus trabalhos. Apelidado de o mago da luz, pode-se dizer que se o trabalho não prima por grande inovações técnicas é um iluminador de primeira mão. “Escrevo com as luzes” diz modestamente.


Em “O Último Imperador” para buscar informações sobre o retratado, acabou descobrindo estar na Europa a maior parte das fontes, já que na China ocorreu seu desaparecimento (devido a Política). Nessa a obra a cor determina cada momento da vida do Imperador. O filme caminha da predominância do vermelho, passando pelo amarelo, laranja, verde, azul quase roxo. Também a luz vai mudando de acordo com as fases e as turbulências de sua vida. No período em que foi considerado culpado as sombras ganham a tela, quando é perdoado é um branco que passa a vigorar.


Sempre fazendo uma pesquisa minuciosa sobre o que será retratado na tela, ele busca complementar com a luz, o que a direção e o roteiro não conseguem alcançar. “A imagem permanece quase sempre a mesma ao longo da película, já a iluminação é como a música, mister se faz que evolua ao longo da história”.


Seu trabalho é tão contundente que a Academia lhe premiou com três oscars: Reds (1981), O Último Imperador (1987) e Apocalypse Now (1979). Teve uma indicação também por Dicky Tracy (1989).



Principais trabalhos:

                                                     A estratégia da Aranha (Bertolucci – 1970)

                                                       O Conformista (Bertolucci – 1970)

                                                   Último Tango em Paris (Bertolucci – 1972)

                                                      Apocalypse Now (Coppola – 1979)

                                                           Reds (Warren Beatyy – 1981)

                                               O Fundo do Coração (Coppola – 1982)

                                                     Giordano Bruno (Giuliano Montaldo – 1973)

                                                   O Último Imperador (Bertolucci – 1987)

                                                          1900 (Bertolucci – 1974)

                                                      Dick Tracy (Warren Beatty – 1989)

                                                         O Pequeno Buda ( Bertolucci  - 1992)

                                                         La Luna (Bertolucci – 1979)

                                                 O Céu que nos protege (Bertolucci – 1989)




Escrito por Conde Fouá Anderaos

Um comentário:

Marcelo C,M disse...

Recentemente eu vi A Caça e desde já é uma das melhores fotografias que eu vi esse ano.