domingo, 23 de janeiro de 2011

A Casa do Lago - Tempo?



Casa do Lago


Você conseguiria esperar o amor da sua vida, apesar da enorme distância? Este é o tema do filme a Casa do Lago, roteiro baseado no filme asiático Siworae de 2000. A casa do Lago é outro filme romântico entre muitos do cinema, percebe-se a velha história do casal que devido à distância, não pode se unir logo, e somente com envios de cartas eles sentem-se próximos, completos, confortados e apaixonados um por outro.


Keanus Reeves e Sandra Bullock


Porém, este filme tem algo diferencial, a distância dita, não é de um país para outro, ou estado, ou cidade. É o tempo que separa esse casal da união perfeita. Um enredo totalmente louco que poderia ter sido feito somente por asiáticos. E somente, um diretor não nascido nos Estados Unidos para transportar tal ideia para os cinemas americanos.


O filme não se compara nem um pouco com o original. Apresenta falhas, péssima direção, cenas fracas e mal-feitas, interpretações que poderiam ter sido melhores, falas que poderiam ser mais profundas, fotografia ruim. Enfim, o filme era para ser uma grande decepção. Contudo, o roteiro coreano e a linda casa no lago salva a fita de Alejandro Agresti, que com certeza confiou em tais pontos para realizar uma direção tão mal feita.


Cena do filme Siworae


Alejandro poderia ter inovado, ter feito uma obra digna de um roteiro surpreendente. No entanto, não conseguiu. E o único feito a deixar foi das cenas e falas que imaginamos que poderiam ter sido feitas.


Claro, há cenas que se salvam como da explicação da arquitetura da casa no Lago e da pequena paciente conversandocom a personagem de Sandra Bullock. Partes que respectivamente deixam a refletir, sobre questões familiares e a espera. Você pode muito bem saber construir casas, porém lares não. Você pode simplesmente esperar o seu amor. Mas você pode perder uma parcela da sua vida. São cenas boas que nos fazem pensar em único fato: TEMPO. Como saber administrar o tempo ao nosso favor?


Sandra Bullock interpreta Dra. Kate Forster

Será que conseguimos esperar por muito tempo um amor? Será que a distância acaba com os afetos? Será que deixamos de viver esperando o amor? Ok. Creio que tais perguntas são subjetivas. Cabe a você, responde-las. Só não esqueça. Não tente entender o passado, ou prever futuro. Viva o presente. Pois ele sempre será o que será.


Enfim, a produção é uma boa pedida para os fins de noite sozinho em um sofá, onde a tristeza reflete no olhar . Contudo, se for um cinéfilo que faz analise técnicas profundas, talvez seja melhor outra opção, pois o único ponto positivo do filme é o roteiro asiático que nos faz emocionar. Só o roteiro, porque as interpretações e o restante deixam a desejar.


Uma das cenas engraçadas presente no filme




" - Mas se não tomar cuidado, pode passar a vida toda esperando. "



"- Papai sabia construir uma casa, não um lar"

Nenhum comentário: