domingo, 26 de setembro de 2010

UMA ONDA NO AR




Creio que muitas pessoas desconhecem sobre esse filme. Mas não culpo ninguém por não saber. Muitos filmes brasileiros enfrentam o descaso. A maioria deles são vistos somente porque são realizados por diretores conhecidos na mídia como Fernando Meirelles e Daniel Filho ou são produzidos pela produtora Globo Filmes. Mas tem outros motivos que fazem a maioria dos filmes produzidos no Brasil serem deixados de canto. Eu uma pequena guria manauara, enfrento problemas por causa dos cinemas e locadoras locais. Já não sei quantos filmes deixei de assistir porque o maldito do cinema preferiu exibir um filme americano de bosta, com uma historia de bosta e o restante tudo de bosta em vez de um filme com tema interessante, uma trilha interessante e o restante tudo interessante. Isso me deixa furiosa. E fico mais furiosa quando eu vejo que o filme não chegou à locadora por falta de verba ou porque o senhor da locadora com seu sentimento capitalista, acreditou que comprando o filme não lucraria.
Porém, tudo bem. Eu tenho fé e acredito que a situação vai mudar. Mas continuando. Em 2002 foi exibido em algumas salas de cinema no Brasil o filme 'Uma onda no ar', filme do diretor Helvécio Ratton. Eu somente soube da existência do filme em 2010, isto é , foram oito anos sem saber que este filme foi produzido. E oito anos sem saber que Alexandre Moreno uns dos protagonistas que já vi atuando como figurantes em várias novelas da Globo e da Record , tinha ganho o Kikito de Ouro por melhor atuação.
Eu fui saber da existência do filme pela universidade que possui um pequeno projeto de cinema, que exibe geralmente filmes que são maltratados e espancados até a morte pelo cinema por não apresentarem qualquer faturamento. Foi a partir do projeto que assisti e me apaixonei pela historia de quatro jovens que moram em Belo Horizonte e criam uma rádio clandestina para ajudar os moradores que vivem na favela. Porém, logo enfrentam problemas por causa das autoridades que não aceitam a criação da rádio por apresentar certo perigo a eles. A história se desenrola a partir disso. A sinopse é interessante e listei três motivos para gostar do filme:
  • Primeiro porque não dormi. Serei sincera, geralmente em filmes que apresentam roteiros e dramatizações entediantes , eu durmo. Apesar do filme às vezes pecar nas dramatizações, a história é envolvente e faz querer assistir até o final.
  • Segundo, eu adoro filmes que são baseados em fatos reais, principalmente os que abordam histórias nas quais pessoas que tinham tudo para ir a outro caminho por causa da droga e da pobreza, venceram na vida e conquistaram um lugarzinho no mundo. Faz acreditar que o mundo pode deixar de ser uma merda. Este exemplo de sinopse me encanta e são poucos que conseguem fazer um bom roteiro e uma boa direção.
  • Terceiro, é o oposto dos filmes que são realizados sobre favelas. Se você for analisar os filmes que são produzidos no Brasil, 90% dos roteiros são baseados sobre os problemas das favelas, o tráfico de drogas e a maioria são somente tiros e blá blá blá. Eu não sou contra a esses filmes. Mostrar a realidade brasileira das favelas para a população que desconhece sobre o que realmente acontece é de grande importância. Porém, somente concentrar em essas situações, provoca artificialismo e acaba por não ocorrer inovações nas produções.
Por fim, creio que já escrevi demais, estou começando a chatear. Essa é a minha humilde opinião de um filme baseado em fatos reais que tem por objetivo mostrar que apesar da pobreza , jovens tentam mudar a realidade por mais simples que seja o ato. É um filme para refletir sobre a vida, sobre a vida dos outros e com certeza um bom para filme para alugar e assistir com os colegas, os pais ou qualquer outra companhia em um fim de semana.



Obrigada.

3 comentários:

Lauci Lemes disse...

Maria deixou de dizer o Principal, que era uma Radio Pirata, que devido ao sussesso se transformou numa Radio Comunitária e abriu precedentes na legislação para criações de Radios Comunitárias, e a Radio Favela Ganhou Prêmio da ONU, antes de ser legalizada! Curioso tb que Hevelcio Ratton, é o diretor de "Menino Maluquinho", ja Fernando Meirelles é Diretor de "Menino Maluquinho 2", coincidência que depois os 2 também dirigiram filmes com tematicas parecidas, né?!
Também sou fã desse filme!
P.S. Se gosta dessa tematica, veja tb "O contador de Histórias" Ótimo.

Maria Yackyn disse...

Olha que legal.. essa do Menino Maluquinho não sabia.. obrigada *-*

Maria Yackyn disse...
Este comentário foi removido pelo autor.