sábado, 23 de janeiro de 2010

Em Busca da Terra do Nunca (2004)


Peter Pan é um clássico da literatura, que encanta pessoas no mundo inteiro. As suas várias aventuras com a fada Sininho e sua turma, contra o terrível e não menos engraçado Capitão Gancho, retratam um universo de fantasias e mágicas, no que se refere ao poder da imaginação. "Em busca da Terra do Nunca" (Finding Neverland, 2004) , filme dirigido por Marc Foster, se propõe a contar a história de como a obra de James M. Barrie foi escrita e como sua mente,funcionava após, o envolvimento com a família Davies, que lhe proporcionou a criação da história.
O filme ressalva todo o seu encanto, de forma coerente em um drama totalmente humano. Utilizando-se do encanto fantástico, várias passagens construídas ao longo do filme, são belíssimas e esplêndidas. Durante as brincadeiras criadas pelo magnífico personagem Sir. Barrie (Johnny Depp), somos transportados a cenários imaginários, o que nos faz também entrar na brincadeira.
A figura de Sir. Barrie apresenta-se como livre e brincalhona, porém não menos sábia e atenta, como no trecho em que o mesmo afirma que “basta sermos felizes nesse mundo, que alguém já quer destruir isso”. Tal afirmação referia-se ao desgosto que o mesmo, sentia em relação às discriminações que vinha passando, após o seu envolvimento com a família Davies.

Porém pode-se pensar que por ser um filme onde os personagens transportam-se a um mundo imaginário, seja bobo. Muito pelo contrário. Tudo é colocado de forma sutil, correta e equilibrada no decorrer do filme, desde as intervenções da amarga madame Du Maurrier (Julie Christie) até a teimosia da meiga Sylvia Llwelyn Davies (Kate Winslet). De certa forma, tudo poderia ser monótono e chato se não fosse, a boa utilização das cenas e personagens.

Londres poderia ser retratada de forma negativa e escura, se não fosse a beleza dos cenários que são fantásticos, criando um visual potencialmente, perfeito e único.
O grande vilão da história ,o qual é repugnante, é a sociedade. O formalismo moral e ético da época,é bem mostrado em momentos distintos e peculiares.

A seqüência onde é mostrada a Terra do Nunca é fabulosa. A emoção não é um sentimentalismo barato neste filme, mas nos proporciona a oscilação em um misto de tristeza e alegria aos vermos tal parte.As lágrimas nos transportam àquele mundo maravilhoso de fadas, duendes, piratas etc., junto com todos os personagens.É um mundo encantador ,que impulsiona a imaginação de quem está assistindo.

"Em busca da Terra do Nunca" é um filme ótimo, digno de produções que concorrem a um grande prêmio. Proporciona uma interessante visão sobre a inocência da imaginação, levando em consideração o poder fantástico da mesma.
Em meio a tudo que foi descrito, é difícil imaginar que Marc Foster não tenha conseguido resgatar, a pureza original da obra de James M. Barrie, que há algum tempo estava esquecida. Isto quem sabe, deve-se a sua grande versatilidade em trazer à tona, elementos tão interessantes como a imaginação, a fraternidade e a esperança em um filme totalmente inovador e atual.

Nenhum comentário: